13 jun 2019

Justiça ordena desapropriação de 60 famílias da “Terra Prometida” em Mossoró

Quem diz que Mossoró é a terra da prosperidade é porque não conhece o assentamento Terra Prometida, localizado próximo a estrada da raíz no grande bairro Santo Antônio.

Cerca de 60 famílias que ocupam há quatro anos um terreno pertencente a prefeitura de Mossoró, viram nesta semana, pela segunda vez a justiça obrigar os moradores a saírem de suas casas de taipa: “Não temos água, nem luz, mas não temos como sair daqui. Tenho cinco filhos e estou sem condições de pagar aluguel”, comentou a dona de casa Nazaré Maria.

Casa de taipa na “Terra prometida”

Por meio de um oficial de justiça o devido documento foi entregue aos que alí residem, contendo todo o processo e a decisão de reintegração de posse num prazo de quinze dias. A decisão é da 2° vara da fazenda pública, assinada pela juíza Kátia Cristina Guedes Dias.

“Vão passar o trator com a gente dentro das casas”, lamentou a catadora Ednalda Silva. Este é o segundo pedido recebido pelos moradores em dois anos. Na outra ocasião a prefeitura conseguiu casas populares para apenas nove famílias e a reintegração foi adiada por solicitação do executivo municipal.

Os moradores não tem a mínima atenção do poder público

“Se eu ganhasse uma casa poderia me mudar, mas aqui a gente vive em família. Todos somos irmãos uns dos outros. Vivemos de catar lixo e outros bicos. Somos pessoas de bem. A gente vive aqui e queria que deixassem a gente viver”, disse seu Francisco Xavier afirmando ter que sustentar oito pessoas na sua casa de feita de forma improvisada com latão e madeira.

As crianças vivem em meio a lama, descalças com animais peçonhentos e com diferentes doenças. São gestantes, idosos, deficientes, homens e mulheres… Humanos, sobrevivendo na miséria. Serviços básicos de saúde e educação não existem.

Esta é a terra prometida, onde aqui vivem os escravos da pobreza. Diferente da história bíblica, no final até previsível dessas pessoas, elas não irão morar no seu próprio chão.

Decisão judicial de desapropriação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *