03 nov 2021

Ibovespa perde fôlego e volta a cair após feriado; decisão do Fed e impasse sobre precatórios estão no radar do investidor

O Ibovespa volta do feriado devolvendo uma parte dos ganhos obtidos na segunda-feira, quando fechou em alta de quase 2%. Ontem, enquanto a Bolsa brasileira estava fechada, os ADRs (ações de empresas de fora dos EUA negociadas em Nova York) tiveram queda expressiva, com destaque para os da Vale, que recuaram mais de 4%. A mineradora é uma das empresas de maior peso do Ibovespa e tem sido pressionada pela queda no preço do minério de ferro.

Ainda que nas últimas semanas o mercado acionário brasileiro tenha se descolado do exterior, os investidores hoje têm grandes motivos para ficar de olho nos Estados Unidos. À tarde, termina a reunião do Fomc, o “Copom do Banco Central” americano, e o encontro deste mês deve definir um cronograma para o tapering, o processo de retirada de estímulos à economia dos EUA. Na prática, esse estímulo vem da compra de US$ 120 bilhões mensais em títulos públicos e das taxas de juros muito próximas a zero.

Investidores também buscam comentários sobre a inflação, em seu patamar mais alto em 30 anos, e pistas sobre quando a instituição pretende elevar sua taxa de juros. Com juros maiores, a tendência é que os investidores busquem opções mais seguras e rentáveis nos Estados Unidos, deixando mercados emergentes, como o Brasil.

“Nosso estrategista global, Alberto Bernal, projeta uma redução nas recompras de títulos de dívida em torno de US$ 15 bilhões por mês a partir de dezembro e espera sinalizações sobre as datas para o início do aumento da taxa de juros”, aponta relatório da XP.

Por aqui, mais cedo, foi divulgada a ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que elevou a taxa básica de juros (Selic) em 1,5 ponto percentual no último encontro. O documento mostra que o Comitê avaliou cenários com ritmos de ajuste ainda maiores, mas chegou à conclusão que com o ritmo adotado, mas considerando uma taxa terminal distinta, é possível levar a inflação à meta em 2022.

Para Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos, o Banco Central foi mais hawkish (duro com relação à inflação), destacando que o BC está mais disposto a elevar a taxas mais altas para segurar a inflação mais altas ano que vem e no próximo. Ele destaca que a RB deve revisar a sua projeção para Selic, com uma projeção não só de uma alta de juros de 1,5 ponto em dezembro, mas outras duas em 2022, encerrando o ciclo ano que vem em 12,25% pelo que foi sinalizado.

Os riscos fiscais continuam no radar e o dia pode ser decisivo para que o objetivo do governo de fazer ajustes no Teto de Gastos público seja cumprido. Parlamentares esperam conseguir votar em plenário da Câmara a PEC dos Precatórios, proposta que limita o pagamento de dívidas judiciais da União e abre espaço no Orçamento para acomodar o Auxílio Brasil, programa substituto do Bolsa Família. Como o governo quer reajustar o benefício, para que as famílias recebem ao menos R$ 400, a PEC tornaria possível bancar o reajuste de valor sem criar gastos extraordinários.

Às 10h16 (horário de Brasília), o Ibovespa operava em queda de 0,45% aos 105.071 pontos. O Ibovespa futuro com vencimento em dezembro de 2021 operava em queda de 0,26% aos 105.725 pontos.

O dólar abriu em ligeira alta e sobe 0,20% a R$ 5,681 na compra e R$ 5,682 na venda. O dólar futuro para dezembro de 2021 recuava 0,01% a R$ 5,712.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2023 sobe 15 pontos-base, a 12,50%; DI para janeiro de 2025 sobe nove pontos-base a 12,69%; e o DI para janeiro de 2027 tem variação positiva de cinco pontos-base, a 12,62%.

Nos Estados Unidos, além do tapering, os investidores também devem repercutir o dado de criação de vagas no setor privado em outubro. Esse número ficou em 571 mil, enquanto as projeções apontavam para a criação de 400 mil vagas, portanto bem acima do esperado. Enquanto o Federal Reserve não se pronuncia, os índices futuros em Nova York operam de lado.

O Dow Jones futuro recua 0,21%; o S&P 500 futuro tem leve queda de 0,14%; e os futuros da Nasdaq avançam 0,10%. Na Europa, O Stoxx 600, que reúne empresas de 17 países europeus em setores-chave, tem ligeira alta de 0,08%.

As bolsas asiáticas também tiveram desempenhos variados entre si nesta quarta, com investidores atentos para as conclusões da reunião do Fed. Na quarta foi divulgada a pesquisa privada Índice do Gerente de Compras (PMI na sigla em inglês) Caixin/Markit relativa à China, que marcou 53,8 pontos em outubro, frente a 53,4 em setembro.

Divulgado no final de semana PMI oficial não manufatura da China relativo a outubro marcou 52,4 pontos, frente a 53,2 pontos em setembro. Qualquer leitura acima de 50 pontos indica expansão; abaixo, retração.

Radar corporativo

A divulgação de resultados na temporada segue movimentada, com destaque para o Itaú (ITUB4), além de CSN (CSNA3), PetroRio (PRIO3), Ultrapar (UGPA3), entre outras.

Banco Pan (BPAN4)

O Banco Pan (BPAN4) reportou lucro líquido de R$ 191 milhões no terceiro trimestre de 2021 (3T21). O resultado representa um crescimento de 12% em relação ao mesmo período de 2020.

De acordo com o banco, os principais fatores para o desempenho foram margem financeira robusta, custo de crédito sob controle e receitas crescentes de prestação de serviços.

O retorno anualizado sobre patrimônio líquido médio foi de 13,6% no 3T21, frente ao retorno de 13,2% no mesmo período do ano passado (3T20).

Alpargatas (ALPA4)

O grupo Dass, dono das marcas Fila e Umbro, fez uma proposta para adquirir 60% da Osklen, marca de calçados e roupas que pertence à Alpargatas (ALPA4).

A proposta foi divulgada em fato relevante da companhia de capital aberto. E, segundo o documento, é composta por uma parte fixa de R$ 300 milhões, a ser paga em três parcelas, além de uma parte variável no valor de até R$ 100 milhões, condicionada ao atingimento de determinadas metas durante os exercícios de 2022 e 2023.

O pagamento seria feito em até quatro anos do recebimento da proposta, com a devida correção monetária, na proporção da participação da companhia.

Raízen (RAIZ4)

A Raízen (RAIZ4) concluiu a aquisição de 50% da Barcosy Rodados (B&R), pelo valor de US$ 121,9 milhões, sendo que US$ 31,9milhões foram pagos na presente data e US$ 90 milhões serão pagos em 5 parcelas anuais.

A empresa assinou contrato regulando o direito de uso da marca Shell para a B&R e Acordo de Acionistas que regula as relações das partes como acionistas da B&R.

A conclusão da Operação marca a entrada da Raízen no mercado paraguaio de Marketing &Serviços com 340 postos de revenda, complementando a plataforma de operações da Companhia na América do Sul.

Americanas (AMER3)

A Americanas (AMER3) e Lojas Americanas informaram que a IF Capital, subsidiária da Americanas, que tem como missão investir em startups, concluiu a aquisição, na segunda-feira (01), de 100% das ações da Natural da Terra.

Segundo comunicado, a Natural da Terra tem uma rede de 77 lojas em Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo. As vendas on-line da rede representam 16% do total.

Allied (ALLD3)

A Allied (ALLD3) concluiu a aquisição da totalidade docapital social da Brused, plataforma de compra e venda de aparelhos eletrônicos seminovos.

O valor da operação não foi revelado.

Desde o segundo semestre de 2020, com o lançamento do Programa iPhone Pra Sempre, em parceria com o Banco Itaú e a Apple, a Allied ingressou nesse mercado através do compromisso de compra dos aparelhos que são devolvidos pelos clientes no final do seu ciclo no Programa.

Hospital Mater Dei (MATD3)

O Hospital Mater Dei (MATD3) concluiu a aquisição, por meio da sua subsidiária RMDSPD Participações, de fatia de 50,1% do capital social da A3 Data Consultoria.

CM Hospitalar (VVEO3)

A CM Hospitalar (VVEO3) concluiu a compra da totalidade FW após o cumprimento das condições precedentes, tal como a anuência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

Localizada em Blumenau, Santa Catarina, a FW é uma empresa voltada ao ramo de higiene pessoal, especializada na fabricação de lenços e toalhas umedecidas.

A CM Hospitalar (VVEO3) informou ainda que foi concluída, após cumprimento de condições precedentes, a aquisição de 100% da Tecno4 e da Pointmed.

Telefônica (VIVT3)

O Conselho de Administração da Telefônica (VIVT3) aprovou a alienação de parte das ações de sua titularidade e de emissão de sua controlada “IoTCo Brasil”, representativas de 0,02% do capital social da IoTCo Brasil, para a TI&BDT, controlada indireta da Telefónica, pelo valor de R$ 18,99 milhões.

Em decorrência da transação, 50,01% do capital social da IoTCo Brasil passou a ser detido pela Telefônica (VIVT3) e 49,99% pela TI&BDT .

Ômega (OMGE3)

A Ômega (OMGE3) informou que somente poderão exercer o direito de recesso os acionistas dissidentes que, comprovadamente, forem titulares, de maneira ininterrupta, de ações ordinárias de emissão da companhia entre 24 de setembro de 2021.

O valor do reembolso por ação a ser pago ao acionista dissidente que exercer seu direito de retirada será de R$ 19,562 por ação.

O prazo para exercício do direito de recesso será de 30 dias contados da data de publicação da ata da AGE, ou seja, em 4 de novembro de 2021.

O pagamento do reembolso será realizado em até 90 dias após o término do prazo para o exercício do direito de retirada.

(com Reuters e Estadão Conteúdo)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *