26 nov 2019

Falta d’água em Caraúbas há 30 dias gera pedidos de privatização da CAERN

Mais uma vez a falta d’água em Caraúbas tem gerado comoção entre os moradores. Desta vez com 30 dias sem água na torneira do caraubense a CAERN, que já alegou quebra e roubo de equipamentos, diz que ação de vândalos impediu a sequência de abastecimento na cidade.

Em nota encaminhada à imprensa no sábado passado, 23/11, a companhia disse que: “nos últimos dias, poços que abastecem as cidades de Mossoró e de Caraúbas sofreram atos de vandalismo. Os cabos e quadros de comando foram danificados fazendo com os equipamentos deixassem de funcionar”.

Ainda de acordo com a informação repassada pela CAERN o abastecimento voltaria ao normal 24h após a conclusão do serviço. De fato nesta terça-feira, 26/11, algumas residências do bairro Alto São Severino já estão recebendo água, no entanto, ainda fraca, necessitando uso de motorbomba para abastecer as caixas.

Pipa d’água

A população de Caraúbas é estimada em mais de 20 mil e 600 habitantes. Registros encaminhados a este blog afirmam que quem tem condições comprou pipas d’água para realização de atividades comuns como lavar louça e higiene. A água nesses caminhões custam entre 40, 60 chegando a 100 reais, dependendo da quantidade. Quem não tinha dinheiro chegou a pedir emprestado baldes com água aos vizinhos. Esse tipo de atitude também coloca em risco a saúde da população porque não existe a constatação da qualidade da água ou do devido armazenamento dentro dos tanques.

Privatização

Mas essa situação de precariedade no abastecimento de água em Caraúbas não é de hoje. Esse último problema persistiu por quase 30 dias foi mais um de outros registros semelhantes se repetiram ao longo do ano.

A insatisfação da população caraubense com a CAERN é tão grande que parte dos moradores já pede a privatização da companhia (ver exemplo abaixo), mesmo sabendo que se isso vier a acontecer o produto ficaria mais caro, mas a justificativa é que não iria mais faltar água na encanação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *