02 jun 2021

Donos de bares em Caraúbas cobram retorno das atividades; Prefeitura responde

Representantes da ACBRES – Associação caraubense de bares, restaurantes e similares – entraram em contato com este Diário Político solicitando espaço para cobrar do poder executivo de Caraúbas a flexibilização das atividades deste ramo comercial. “Estamos reivindicando o direito de trabalhar que está sendo negado pelo poder público municipal”, diz o comerciante João Mendes em vídeo encaminhado ao blog, veja abaixo.

Sobre a quantidade de pessoas acometidas pela Covid-19 na cidade, João Mendes afirma que “mesmo fechados há mais de 50 dias os números não tem baixado, comprovando assim que nós não somos os culpados da disseminação do vírus”, atestou.

No decreto estadual em vigência está permitido o consumo de bebida alcoólicas em bares e restaurantes, no entanto, o entendimento do STF – Supremo Tribunal Federal, vale o decreto mais rígido, no caso o do município de Caraúbas.

Recentemente a Associação diz que repassou à administração municipal um termo com protocolos a serem seguidos num possível retorno das atividades, mas nenhuma resposta foi dada pela Prefeitura.

Veja o que consta nas normas de retorno sugeridas pela associação:

Outro lado

O blog Diário Político procurou a Prefeitura de Caraúbas para comentar esta cobrança e nos foi repassada uma nota afirmando que “A flexibilização acontece por partes mediante a escuta dos profissionais de saúde, a Vigilância Sanitária e o Comitê de Enfrentamento ao Covid-19”, seguiu afirmando: “Tivemos uma queda nós números que caíram de 139 em isolamento para 25. Vacinamos em primeira dose quase 25% da população, mas ainda estão acontecendo óbitos e a situação inspira cuidados”.

No momento não foi dado nenhum novo prazo para retorno da venda de bebidas alcoólicas nos bares e restaurantes de Caraúbas: “No momento apropriado, a flexibilização atingirá também a venda de bebidas para consumo no local. Mas isso vai depender de que tenhamos um período de queda ou estabilidade nos números”, finaliza a nota.

Leia abaixo nota na íntegra:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *