29 nov 2021

“Começando a sentir o resultado deste caos”, diz docente sobre situação administrativa da UFERSA; Reitora rebate

Uma das principais instituições de ensino do País tem enfrentado problemas internos em sua administração que nada contribuem para a formação de milhares de jovens espalhados nos campi da UFERSA pelo Rio Grande do Norte. A Universidade Federal Rural do Semiárido realizou em 2020 sua consulta acadêmica e o resultado das urnas não foi seguido pela nomeação da Presidência da República.

Em outubro deste ano o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu que o Governo Federal não precisa nomear reitor mais votado da lista tríplice, VER AQUI. Até aí tudo bem, mesmo com uma série de protestos de docentes, técnicos e principalmente dos estudantes que insistem em chamar a Reitora Ludimilla Oliveira de “golpista” e interventora”. Este Movimento gerou, inclusive, processos na Justiça Federal, VER AQUI  que ficou no arquivamento da ação dela contra estudante Ana Flávia.

Apesar do desfecho na justiça, internamente as questões ligadas a decisões da Reitora Ludimilla pioraram nos últimos meses. Pelo menos SETE pró-reitores deixaram a gestão. Alguns por não concordarem com a maneira dela conduzir os trabalhos na Universidade e a principal queixa é “prioridades”.

Veja abaixo a lista de auxiliares que deixaram a gestão Ludimilla.

Paulo Cesar Ferreira Linhares – Exonerado em 21 de setembro de 2020 (ainda no primeiro mês de gestão) da função de Pró reitor adjunto da PROPPG
Janaína Maria Silva Holanda – Exonerada em 11 de janeiro de 2021 da função de Pró reitora da PROAE
Éder Jofre Marinho de Araújo – Exonerado a pedido em 25 de maio de 2021 da função de Pró reitor da PROAE
Débora Andréa Evangelista Façanha – rebaixada de titular para adjunta da PROPPG em 16 de agosto de 2021 e exonerada em 15 de setembro de 2021
Judson da Cruz Gurgel – exonerado a pedido em 14 de setembro de 2021 da função de Pró reitor da PROAD
Carlos Eugênio da Silva Neto – exonerado em 29 de setembro de 2021 da função de Pró reitor adjunto da PROAD
Sueldes de Araújo – exonerado em 09 de novembro de 2021 da função de Pró reitor da PROGRAD

Um dos que deixou seu posto de pró-reitor afirmou em sua despedida do grupo do whatsapp de pró-reitores que a reitora “não cumpriu compromissos que assumiu comigo quando fizemos um acordo programático para um projeto de  Universidade. Ela quebrou um laço de confiança comigo e com os principais pró-reitores da Universidade que configuraram a base de sua campanha e de sua gestão e rompeu politicamente com todos eles”.

Quem era do início da gestão está tensionado a deixar o cargo por não concordar com ações da Reitora. Este Diário Político foi procurado por docentes ex-pró-reitores que repassaram informações acerca da forma como a gestora tem tocado a gestão. Nos foi pedido para preservar as identidades por causa de possíveis perseguições e intimidações dentro da UFERSA.

“O projeto que era da Universidade virou um projeto somente dela. Ninguém sabe o que ela quer, não para lá (na reitoria) para receber os pró-reitores. Assim fica difícil”, criticou uma professora sobre as viagens mensais realizadas pela professora Ludimilla, principalmente para Brasília.

UFERSA sem emenda de bancada 

Na semana passada foram definidas as emendas individuais e da bancada Federal do RN no Congresso Nacional. Recursos que são direcionados para várias demandas necessárias em nosso Estado, porém, apesar de UFRN (R$39,6 milhões) e IFRN (R$ 43 milhões) terem destinação de emendas coletivas a UFERSA ficou de fora. “A Universidade está pagando caro por causa desta postura dela”, revelou um docente.

“Ela não apresentou nada de projeto lá (na reunião da bancada Federal) então isso foi uma mensagem muito forte que a bancada Federal do Rio Grande do Norte passou para UFERSA. Se viesse dez milhões para a UFERSA ou vinte faria muita diferença, mas muita mesmo. Enfim, e aí o pessoal já tá começando a sentir o resultado deste caos”, asseverou.

Veja abaixo os recursos direcionados para investimentos na UFRN e IF’s:

Nova Polêmica

A mais recente polêmica envolvendo a Reitora foi a realização do “Natal Sem Fome”. Em reportagem publicada pelo Nordeste 360, foi detalhado todo este imbróglio, VER AQUI. Um resumo é que que Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa) divulgou nota nas redes sociais denunciando que a campanha solidária “Natal Sem Fome”, realizada há vários anos pela instituição de ensino e que recolhe alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade social, que teria sido cancelada. Posteriormente a universidade veio a público “descancelar” o evento. De acordo com a nota do DCE, o cancelamento teria sido motivado pela professora Ludmila, não teria sido convidada para a cerimônia de abertura do evento o que teria a chateado.

“O descancelamento do cancelamento só se deu porque mobilizamos a comunidade acadêmica. O DCE fez uma ação com os conselheiros do CONSEPE no sentido de pedir esclarecimentos sobre o cancelamento abrupto. No mesmo sentido, houve uma movimentação feita pelo CONSUNI. Os conselheiros do CONSEPE deram o prazo de 24h para ter o retorno dos esclarecimentos. Caso não tivéssemos, iríamos fazer uma autoconvocação do CONSEPE para reverter o cancelamento da interventora. Seria mais uma derrota pra ela porque a campanha iria ocorrer de um jeito ou de outro”, revelou ao Nordeste 360 a Coordenadora Geral do DCE da Ufersa, Ana Flávia Lira.

Enquanto isso, segue a insatisfação da gestão por vários docentes, técnicos e estudantes. Um dos professores nos escreveu afirmando que o “pessoal entrou com a ideia de de gestão de fazer melhor pela Universidade de de acabar com o patrimonialismo que existia; de acabar com com aquilo do usofruto da máquina para interesse político próprio – que era o que a gestão passada fazia – e aí o pessoal entrou com com a intenção de mudar a realidade da Universidade e aí de repente desandou. A gestão desandou com força e virou essa coisa, onde o projeto que era da Universidade virou um projeto só dela”.

Outro lado

Buscamos a Reitora Ludimilla Oliveira para que pudesse responder sobre pontos levantados pelos que compõe a instituição. Durante viagem ao Estado de São Paulo a professora repassou áudio via whatsapp que pode ser ouvido na íntegra logo abaixo. A reitora afirmou que o editor deste blog, por meio de publicação no twitter VEJA AQUI, segundo ela teria “anunciado primeiro a teoria do caos” antes de buscar as respostas junto a ela. A fala da Reitora não se sustenta, visto que a publicação usou tão somente a palavra CAOS, justamente por ter sido termo colocado por nossa fonte jornalística. Durante a fala da professora Ludimilla, ela afirma que a UFERSA não foi contemplada com emendas parlamentares da bancada Federal por questões políticas, e que a bancada não tem compromisso com educação. Lembrando que o coordenador da bancada é Benes Leocádio (Repúblicanos) aliado direto do Presidente Jair Bolsonaro. Sobre o “Natal Sem Fome” deu sua versão sobre o cancelamento e descancelamento da campanha. Finalizou dizendo que “não existe caos na Universidade”.

Ouça:

1 – a partir dos 0’45 – insatisfação dos pró-reitores que saíram
2 – a partir dos 2’31 – acordo quebrado com pró-reitor
3 – a partir dos 3’13 – Ufersa não contemplada com emendas
4 – a partir dos 5’10 – Natal sem Fome

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *